F6F-3 Hellcat Weekend Edition – Eduard 1/72
Escrito por Francisco Eduardo Mendes   
Sáb, 03 de Março de 2012 17:29

 


Imagem

 

 

F6F-3 Hellcat Weekend Edition – Eduard 1/72 (7414)

 

 

 

Histórico
O F6F-3 foi a primeira versão operacional do Hellcat, o mais bem sucedido caça naval americano da 2ª Guerra Mundial.
Este kit retrata a aeronave do Tenente Richard “Dick” Stambook, do esquadrão VF-27 em outubro de 1944.



Imagem
O VF-27 no Havaí, antes de embarcar no USS Princeton, maio de 1944.
fonte: Aircam 019 / US Navy



O esquadrão esteve embarcado no USS Princeton (CVL-23), um porta-aviões da Classe Independence, entre junho e outubro de 1944. Neste curto período o esquadrão abateu 136 aviões inimigos e destruiu outros 64 no solo. Os aviões do VF-27 destacavam-se também por exibirem uma elaborada nose-art, algo muito raro na aviação naval americana daqueles tempos. Na manhã de 24 de outubro de 1944, durante a Batalha do Golfo de Leyte, a carreira do esquadrão foi interrompida bruscamente por uma bomba de 500 libras lançada por um Yokosuka D4Y “Judy” que, sozinho, conseguiu romper as defesas da frota. A bomba explodiu em meio a um grupo de TBF Avengers que estavam sendo reabastecidos no convés inferior, desencadeando uma série devastadora de incêndios e explosões que não só afundaram o Princeton, mas também danificaram outros navios que ajudavam no resgate.

 

ImagemO USS Princeton em chamas, horas antes de afundar.
fonte: Wikicommons / US Navy



Parte do VF-27 estava retornando de uma missão e foi obrigada a pousar em outros porta-aviões. O esquadrão retornou ao Havaí e retornou às operações em julho de 1945, a bordo do USS Independence. Somente mais uma vitória foi assinalada pelo esquadrão nesse segundo período.
O Tenente Richard “Dick” E. Stambook obteve 10 vitórias aéreas, a última contra um Ki-45 sobre Luzon em 18 de outubro de 1944. Stambook estava a bordo quando do naufrágio do Princeton e foi um dos muitos que tiveram que escapar a nado. Seu avião perdeu-se no naufrágio. Após um merecido período de folga, Stambook terminou a Guerra como instrutor nos Estados Unidos. Finda a Guerra, Stambook empregou-se como piloto na TWA por mais 30 anos. Ele faleceu na Califórnia no ano 2000, aos 79 anos.

 

 

Conteúdo da caixa

Dentro da caixa encontramos três sacos plásticos transparentes com fecho adesivo, o que facilita a guarda do material ainda não usado. O saco menor contém a pequena folha de decais e as instruções. As instruções estão impressas em preto & branco em seis páginas de papel tipo sulfite tamanho A5, um acabamento bem mais modesto que o da versão profipack mas plenamente aceitável. Na primeira página encontramos um diagrama das árvores indicando quais peças não são usadas e uma lista das cores com referências para a linha da Gunze Sangyo / Mr.Color. Os diagramas da montagem são bem desenhados e de fácil compreensão. A última página contém uma breve história da versão (assumindo 11 vitórias para Stambook, enquanto que várias referências atribuem-lhe “apenas” 10) e um diagrama em 4 vistas ilustrando o esquema de pintura e o posicionamento dos decais.

 

Contents-600.jpg image by APRJ

 

 

 

Detalhes


O kit, por ser a versão weekend, contém apenas as peças em plástico, sem os photoetches e as máscaras que acompanham a versão profipack. São quatro árvores de peças, três em plástico verde oliva e uma em plástico transparente, num total de 74 peças. São as mesmas árvores da versão que pode ser vista aqui.

A qualidade da moldagem é excelente, sem rebarbas ou pinos de injeção aparentes. As linhas de painel são sutis e adequadas à escala. O cockpit é bem detalhado, e pintado adequadamente fará um excelente efeito. O kit apresenta duas peças para o painel de controle, uma lisa para receber o photoetch que acompanha a versão profipack e outra com os instrumentos em relevo, facilitando o trabalho de pintura. Os pneus, separados das rodas, têm duas versões de sulcagem, uma linear e outra em “diamante”, à escolha. Infelizmente só uma peça para o assento do piloto é oferecida, sem cintos de segurança. Um assento extra com um cinto de segurança já moldado poderia ter sido incluído no projeto do kit.

 

 

As transparências, que vêm embaladas em um saco à parte, são das melhores que já vi na escala, límpidas e com as molduras delicadamente marcadas. Os decais, feitos pela própria Eduard, são impecáveis. Nosso exemplar simplesmente não apresenta falhas na impressão, com superposição perfeita das cores e não deixando praticamente nenhum filme visível nas bordas. Uma solução interessante foi deixar o “injetado” dos olhos da nose art, em vermelho, em decais separados para permitir uma perfeita colocação.


Tratando-se de uma versão “Weekend”, o kit contém somente decais e instruções de pintura para uma versão, já descrita no histórico. Muitos consideram a combinação da pintura tricolor com a nose-art feroz do VF-27 o mais bonito esquema de pintura do Hellcat, o que justifica a escolha da Eduard.
De qualquer forma, com as peças fornecidas é possível a montagem tanto um F6F-3 quanto um F6F-5, bastando que se usem as peças adequadas a cada versão e adicionando-se o esquema de pintura e decais com as marcações correspondentes.

 

 

 

Conclusão


A versão weekend é uma excelente opção oferecida pela Eduard para os modelistas com um orçamento mais curto e que não estejam interessados no superdetalhamento que a versão profipack oferece. Este kit custa (preço de lista no site da Eduard) pouco menos de 17 dólares, aproximadamente 2/3 do preço da versão profipack. O preço e a versatilidade do kit permitem aos apreciadores do Hellcat a montagem das suas diversas versões com um mínimo de trabalho e com excelentes resultados. Uma ótima opção para dioramas e coleções, por exemplo.

Pela qualidade da moldagem e pelo preço competitivo, o Hellcat “Weekend Edition” 1/72 da Eduard é fortemente indicado para todos os níveis de modelistas, desde os mais experientes que desejem uma montagem expedita e de custo reduzido até os iniciantes interessados em desafiar um kit que, apesar de um número relativamente elevado de peças, deverá montar muito bem.

Difícil apontar alguma falha num kit desse nível, a Eduard fez um kit praticamente perfeito. A única ressalva é a embalagem frágil, um retrocesso tratando-se de Eduard.

 

Veja também:


Detalhamentos em photoetch

Montagem da versão Profipack do F6F-5

 


Obrigado a Eduard pelo exemplar para review!

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Clique nos links para ir a pagina.

Notícias e Reviews Anteriores

Ultimas do Forum