CV-63 Kitty Hawk Trumpeter 1/350 – Eduard #53170, #53171, #53172, #53173 e #53174
Escrito por Ricardo P-40   
Qua, 12 de Julho de 2017 00:00

alt

CV-63 Kitty Hawk – For Trumpeter kit

EDUARD #53170, #53171, #53172, #53173 e #53174 – 1/350

 

O USS Kitty Hawk (CV63)

O super porta-aviões USS Kitty Hawk (CV63), formalmente CVA63, foi o segundo navio a receber esse nome em homenagem a localidade de Kitty Hawk na Carolina do Norte, onde os Irmãos Wright realizaram o seu primeiro vôo. O CV63 foi o primeiro e último navio ativo de sua classe e o último porta-aviões movido a propulsão convencional em serviço na Marinha Americana.

A sua construção foi iniciada em 27 de dezembro de 1956 pela New York Shipbuilding Corporation  em Candem, New Jersey, foi lançado ao mar em 21 de maio de 1960 e finalmente comissionado em 21 de abril de 1961 no Estaleiro Naval da Filadélfia. Com o descomissionamento do USS Independence em 1998, o Kitty Hawk ostentou por algum tempo o título de segundo navio por mais tempo ativo na U.S. Navy, ficando atrás apenas do USS Constitution, só vindo a perder  o título em 2012 para o USS Enterprise. Durante dez anos o Kitty Hawk cumpriu a função de Porta Aviões avançado na Base na Naval de Yokosuka no Japão, tendo sido substituído em 2008 na tarefa pelo USS George Washington para retornar aos Estados Unidos e ser descomissionado em 12 de maio de 2009, após 49 anos em serviço. O USS Kitty Hawk foi substituído na U.S. Navy pelo USS George H. W. Bush.

Histórico de Serviço

Após uma série de testes no Atlântico, o Kitty Hawk partiu da Estação Naval de Norfolk na Virgínia em 11 de agosto de 1961. Entre os seus destinos esteve o Rio de Janeiro onde Secretário da Marinha do Brasil embarcou para assistir um exercício de demonstração deste em conjunto com cinco destroyers brasileiros. Em primeiro de outubro o Kitty Hawk contornou o Cabo Horn com destino a Valparaíso no Chile, partindo em seguida para Callao no Peru onde chegou a 20 de outubro. Em 18 de novembro aportou em San Diego, California onde participou junto com outras unidades de uma série de demonstrações de guerra anti-submarina, lançamento de mísseis Terrier e operações aéreas. A 23 de novembro de 1961 o navio aportou no Estaleiro Naval de San Francisco para alterações e realizar outras operações na área de San Diego. Em 13 de setembro de 1962 ele partiu de San Francisco para se juntar a Sétima Frota, assumindo a função de nau capitânea em substituição ao USS Midway.

Após participar do show aéreo da Semana da Aviação da República das Filipinas, o Kitty Hawk deixou a Baia de Manila, recebendo a bordo o Comandante em Chefe da Frota do Pacífico para demonstrações de armas navais modernas em 3 de dezembro.  Ainda no início de dezembro fez uma rápida visita a Hong Kong, retornando a Yokosuka no Japão no início de janeiro de 1963. Em janeiro e fevereiro o Kitty Hawk em conjunto com o Comando da Sétima Divisão de Porta Aviões realizou diversos exercícios, entre os quais a Operação Checkertail, onde este e mais três outros Porta Aviões simularam ataques aéreos contra o Comando de Defesa Aérea de Okinawa.  Entre o final de janeiro e o início de fevereiro foram feitos exercícios de interceptação e identificação visual no Norte do Japão de supostas “aeronaves estrangeiras”. Ainda em fevereiro participou do Exercício “Red Wheel” no Sul do Japão, onde foram testadas as habilidades  da Sétima Divisão condução em conflitos convencionais e nucleares, mantendo a capacidade de defesa contra ataques aéreos e submarinos.  Durante esse exercício o navio visitou as cidades de Kobe, Beppu e Iwakuni antes de retornar a San Francisco em abril. 

alt alt alt alt

Em 6 de junho de 1963 o Kity Hawk recebeu o presidente John F. Kennedy entre outras autoridades civis e militares para acompanhar uma série de demonstrações na costa da Califórnia. Entre as atividades de 1963, o diretor John Frankenheimer filmou diversas cenas a bordo do Kity Hawk  para serem usadas no filme "Sete Dias em Maio". Após uma série de exercícios ao longo da costa da Califórnia e do Hawai, o navio se dirigiu para o Japão, vindo a receber  a notícia do assassinato do presidente Kennedy quando chegava ao seu destino. Participou ainda de diversas operações de alerta junto com a Sétima Frota ao largo das Filipinas, retornando a San Diego em 20 de julho de 1964.

Em 1965 o Kitty Hawk passou por uma atualização no Estaleiro Naval Puget Sound, executou alguns exercícios e partiu de San Diego em 19 de outubro de 1965, passando pelo Hawai em direção a Baia Subic nas Filipinas, onde foi preparado para operações de combate na costa do Vietnam.

O Kitty Hawk foi condecorado com a Presidential Unit Citation por serviços excepcionalmente merituosos e heroicos no período de 23 de dezembro de 1967 a 1 de junho de 1968, o que incluiu também as suas ações durante a Ofensiva do Tet de 30 de janeiro de 1968, enquanto participava de operações de combate no Sudeste da Asia. Recebeu também a Navy Unit Merituous Commendation por serviços excepcionalmente merituosos de 15 de janeiro a 27 de agosto de 1969 quando participou de operações de combate no Sudeste da Asia e operações contingenciais no Nordeste da Asia. Ambas as premiações comprovaram que oficiais e demais tripulantes do USS Kitty Hawk demonstraram destemor, coragem, profissionalismo e dedicação em manter o navio totalmente operacional sob as condições mais árduas para dar condições as suas tripulações aéreas de destruir alvos militares estratégicos no Norte do Vietnam independentemente de oposição intensa ou condições climáticas adversas.

Em 1966 os Estúdios Walt Disney filmaram a bordo do USS Kitty Hawk cenas da comédia As Aventuras de Robin Crusoé. O navio retornou a San Diego em junho de 1966 para realizar atualizações e treinamento, retornando em 4 de novembro para o serviço no Sudeste Asiático. Chegou em 19 de novembro em Yokosuka onde substituiu o USS Constellation como nau capitânea da Força Tarefa 77. Em 26 de novembro zarpou de Yokosuka em direção a Estação Yankee, através da Baia de Subic e em 5 de dezembro suas tripulações aéreas iniciaram sua participação em missões do tipo “Around the Clock” sobre o norte do Vietnam. Nesse período o Kitty Hawk também recebeu a bordo diversos artistas e celebridades como Nancy Sinatra, Dr. Billy Graham, Bob Considine e John Steinbeck entre outros como convidados. Ele permaneceu dando suporte no Sudeste Asiático até o final de maio de 1968 quando retornou a San Diego para passar por revisão no Estaleiro de Long Beach. Após a revisão, retornou a San Diego em 25 de agosto onde realisou um rigoroso programa de treinamento para prepara-lo para as ações futuras.

Porém nem tudo correu bem durante esse período, no cruzeiro de novembro de 1967 a junho de 1968 o Kitty Hawk sofreu um incêndio a bordo quando no porto da Baia Subic, ficando cerca de 51 horas fora de operação. Ainda no mesmo cruzeiro um avião se acidentou na pista em janeiro de 1968 com a perda do piloto e outros dois tripulantes durante a queda. Em 12 de outubro de 1972 ainda durante a Guerra do Vietnam, o navio estava em rota para a sua Estação no Golfo de Tonkin, quando ocorreu um conflito racial a bordo envolvendo mais de 200 tripulantes. Mais de 50 tripulantes ficaram feridos no incidente e o assunto foi largamente explorado pela imprensa, o que levou a um inquérito do Congresso Americano sobre a disciplina dentro da Marinha Americana.

De janeiro a julho de 1973 o Kitty Hawk trocou sua base de San Diego para San Francisco. Porém ainda em 14 de janeiro ele foi levado para dique seco e iniciaram-se trabalhos para convertê-lo de Porta Aviões de Ataque (CVA) para Porta Aviões de Multi Missões (CV), tornando-se o primeiro Porta Aviões no Pacífico a levar a designação CV. A conversão consistiu na adição de 10 novas estações de calibragem de helicópteros, instalação de um reduto e centro de análise de sonar e sonobóias e do equipamento associado, e mudança de grande parte dos procedimentos operacionais do navio. Uma das maiores mudanças no equipamento durante a conversão foi a adição de um Centro de Classificação e Análise Antisubmarina (ASCAC) na área do Centro de Iinformações de Combate. O ASCAC deveria trabalhar em conjunção direta com os aviões antisubmarinos do Carrier Air Wing 11. Durante o período no estaleiro o Departamento de Engenharia realizou uma grande mudança no conjunto propulsor, trocando o sistema de óleo standard para combustível destilado. No Departamento Aéreo, foram feitas mudanças no convés de vôo, incluindo o alargamento dos defletores de jato (Jet Blast Deflectors – JBD) e instalando catapultas mais potentes de forma poder operar os novos Grumman F-14 Tomcat, os quais passariam a equipar o Kitty Hawk quando pronta a conversão.  O navio deixou o dique seco em 28 de abril de 1973 e no dia seguinte, no seu 12º aniversário, foi renomeado Multi Purpose Aircraft Carrier (CV).

Com as modificações prontas, o Kitty Hawk deixou o Estaleiro Hunters Point em San Francisco para iniciar uma série de exercícios em mar aberto, partindo logo após para Pearl Harbor. De lá seguiu para o Mar do Sul da China e para o Golfo de Tonkin. No entanto, quando em rota, durante uma rotina de manutenção no sistema de óleo combustível da sala das máquinas Nº 1, uma junta de flange falhou em um dos tubos de transferência que passava por essa sala de máquinas. Isso provocou um derramamento de combustível que se incendiou, causando um estado de alerta que durou cerca de 38 horas. Devido a grande quantidade de fumaça negra que se desprendeu, a tripulação teve que ser evacuada para o deque de vôo até que o fogo fosse controlado e a fumaça dispersa. Três dos quatro sistemas propulsores tiveram de ser desligados, o que fez com que o Kitty Hawk adernasse cerca de 7º a bombordo, isso obrigou a que os aviões fossem remanejados para estibordo de forma que o navio fosse estabilizado e pudesse seguir viajem em direção a Baia Subic onde os danos poderiam ser acessados e reparados. Seis marinheiros morreram no incêndio e outros 34 tiveram de ser tratados contra os efeitos da inalação da fumaça de combustível queimado. Investigações posteriores apontaram falha nos procedimentos de manutenção executados por um dos marinheiros mortos no incêndio como sendo a causa do mesmo.

O Kitty Hawk permaneceu ocupado durante meados dos anos 70 com diversas missões no Oeste do Pacífico e envolvido em um grande número de exercícios, incluindo os RIMPAC de 1973 e 1975.  Ele partiu de San Diego em 8 de março de 1976 para entrar no dique seco do Estaleiro Puget Sound em Bremerton, com a finalidade de realizar uma série de atualizações que custaram cerca de 100 milhões de dólares. Essas atualizações o capacitaram a operar tanto os F-14 como os S-3A Viking no modo CV de controle de mar total. Isso incluiu a adição de espaços para armazenamento, manuseio de munições e instalações de manutenção para ambos os tipos de aviões. Também estavam incluídos no pacote, áreas de trabalho mais eficientes para as células, instalação de equipamentos de suporte a bordo e  capacidade para suporte dos aviônicos para os S-3 Vikings. Foram também substituídos os mísseis Surface to Air Terrier pelo Sistema de Mísseis da OTAN Sea Sparrow, adicionados elevadores e modificados depósitos de armas para uma melhor capacidade de manuseio e estocagem dos novos mísseis que eram maiores que os anteriores.  Após completada a reforma em março de 1977, o Kitty Hawk partiu do estaleiro, retornando a San Diego. Após seis meses de preparação ele partiu da Estação Naval North Island para mais um WESTPAC e retornou em 15 de maio de 1978.

Em maio de 1979 o navio se reuniu a 15ª Carrier Air Wing (CVW-15) para a implantação de mais um WESTPAC. Suas tarefas incluíram operações de busca e assistência a refugiados da República Socialista do Vietnam que vinham em pequenos barcos.  Durante essa implantação, o Kitty Hawk também prestou suporte de contingencia na costa da Corea após o assassinato do Presidente da República da Corea Park Chung Hee. Essa implantação se estendeu por mais dois meses e meio para que o navio também desse suporte de contingencia no Mar do Norte da Arábia durante a crise no Iran. Devido as suas ações na região, tanto o Kitty Hawk como a  CVW-15 foram condecorados com a Navy Expedicionary Medal.

No ano de 1980 o USS Kitty Hawk teve também uma aparição no filme "The Final Countdown" (Nimitz de Volta ao Inferno) fazendo o papel do USS Nimitz. No seu caminho para a execução do WESTPAC o Kitty Hawk foi filmado entrando em Pearl Harbor com a tripulação junto as amuradas enquanto o navio passava pelo Memorial do USS Arizona, na ocasião em que a cena foi filmada o USS Nimitz ainda estava operando com a Frota do Atlântico. Quando o Kitty Hawk retornou a San Diego no final de fevereiro de 1980, ele foi também condecorado com a Meritorious Unit Commendation e com o Naval Air Force Pacific Battle Efficiency “E” Award tendo sido reconhecido como sendo  o melhor porta aviões na Frota do Pacífico.

alt alt alt alt

Em abril de 1981 o navio deixou San Diego para a sua 13º missão no Pacífico Ocidental. Logo após o cruzeiro a tripulação foi condecorada com a Navy Expeditionary Medal e Humanitarian Service Medal pelo resgate de refugiados vietnamitas no Mar do Sul da China.

Em janeiro de 1982 ele retornou para Bremerton para uma nova reforma. Após uma atualização geral e treinamento intensivo com a Carrier Air Wing 2, o Kity Hawk foi designado em 1984 para ser a nau capitânea do Battle Group Bravo. Após navegar mais de 62.000 milhas náuticas (100.000 Km) ele permaneceu na “Estação Gonzo” no Mar do Norte da Arábia por mais de 60 dias consecutivos. Ainda em março de 1984 o Kity Hawk participou do exercício “Team Spirit” no Mar do Japão, o evento foi marcado pela presença constante do submarino soviético da Classe Victor K314  seguindo a Força Tarefa. No dia 21 de março de 1984, ao final do exercício, o K314  emergiu repentinamente a frente do Kity Hawk , como era noite e a distância muito curta, a colisão foi inevitável, resultando em pequenos danos ao Kity Hawk  e danos consideráveis ao K314. Ao ser levado para reparo na Base Naval da Baia Subic nas Filipinas, foram encontrados um pedaço de uma das hélices do K314 e parte do revestimento anecóico do casco deste encrustrados na proa do Kity Hawk . O navio retornou a San Diego em primeiro de agosto de 1984, tendo sido este novamente condecorado com um “E” de Eficiência nove meses depois.

Em julho de 1985 o Kity Hawk  tendo a CVW-9 a bordo se tornou novamente capitânea do Grupo de Batalha Bravo. Ambos juntos tornaram-se um padrão de operacional, ao completarem o seu segundo turno operacional conjunto sem fatalidades. A CVW-9 cumpriu mais de 18.000 horas de vôo e 7.300 pousos no convôo, enquanto o Kity Hawk  manteve suas catapultas e condições de pouso com 100% de disponibilidade no período. Em 3 de janeiro de 1987 o navio deixou o porto de San Diego para um cruzeiro de seis meses ao redor do mundo. Nesse período o Kity Hawk  junto com a CVW-9 realizaram seu terceiro turno sem fatalidades. Durante essa viagem ele permaneceu 106 dias consecutivos numa estação no Oceano Indico e foi novamente condecorado com a Navy Expeditionary Medal e com a Meritorious Unit Commendation pelos seus serviços. O cruzeiro terminou no dia 3 de julho no Estaleiro Naval da Filadelfia, onde seis meses depois o Kity Hawk  iniciou uma reforma como parte do Programa de Extensão de Tempo de Serviço (SLEP). O navio saiu do estaleiro em 2 de agosto de 1990, com a estimativa de adição de mais 20 anos ao seu tempo de serviço operacional.

Com o retorno da CVW-15 aos seus decks, o Kitty Hawk iniciou sua viagem de retorno a San Diego em 11 de dezembro de 1991 através do Cabo Horn. No caminho ele ainda realizou o Exercício Gringo/Gaucho em conjunto com a Aviação Naval Argentina. Em primeiro de agosto de 1992 ele foi designado como Porta Aviões de prontidão da Força Aeronaval do Pacífico, embarcando o comando do Grupo 5 de Cruzadores e Destroyers e o comando do Esquadrão 17 de Destroyers, além da CVW-15  para três meses de preparação antes de partir para o Pacífico Ocidental em 3 de novembro de 1992. Ainda durante a missão, ele passou nove dias na costa da Somália dando apoio aos U.S. Marines e as Forças da Coalizão envolvidos na Operação Restore Hope. Com o aumento das violações iraquianas as sanções das Nações Unidas, o navio partiu para o Golfo Pérsico em 27 de dezembro de 1992, para 17 dias depois ele liderar a ofensiva conjunta da coalisão contra alvos no sul do Iraque. Em 24 de junho de 1994 o Kity Hawk partiu para o Pacífico Ocidental para ajudar a estabilizar a região num período de grande tensão, principalmente em relação a Coréia do Norte. Em 1995 foi a vez da CVW-11 ser re-embarcada no navio, dando-se início a 18ª missão do Kitty Hawk em outubro de 1996. Durante uma viagem de seis meses, o navio visitou portos no Golfo Pérsico e no Pacífico Ocidental, com paradas em locais como Hobart na Tasmania e Manama no Bahraim. Finalmente retornou a San Diego em 11 de abril de 1997 para uma nova reforma de 15 meses ao custo de 110 milhões de Dólares.

alt alt alt alt

Em 06 de julho de 1998 o Kitty Hawk partiu de San Diego para assumir novas funções, como o único porta aviões americano permanentemente em posições avançadas depois do USS Independence. Ele recepcionou a bordo a Air Wing 5 operada a partir da Base Aero Naval de Atsugi no Japão, chegando ao seu novo local de operação em Yokosuka no Japão em 11 de agosto de 1998. Quando do descomicionamento do USS Independence em 30 de setembro de 1998, o Kitty Hawk se tornou o segundo navio de guerra mais antigo em operação na US Navy e foi autorizado a desfraldar a First Navy Jack. Em 2 de março de 1999 ele zarpou para um cruzeiro de 3 meses, que incluiu a participação no exercício Tandem Thrust em Guam. Após o exercício, o Kitty Hawk junto com a CVW-5 seguiram para o Golfo Pérsico para reforçar a Zona de Exclusão Aérea sobre o Sul do Iraque. Os pilotos da CVW-5 voaram mais de 8.800 sortidas em 116 dias, incluindo 1.300 sortidas de combate, disparando mais de 20 toneladas de munição. No seu retorno ao Japão o Kitty Hawk visitou Perth na Austrália e Pattaya na Tailândia, chegando a Yokosuka em 25 de agosto de 1999, vindo a participar em 22 de outubro dos exercícios Foal Eagle e AnnualEx 11G no Mar do Japão. Em 11 de abril de 2000 partiu novamente de Yokosuka para participar de operações de rotina na área local e do Exercício Cobra Gold com navios de Cingapura e Tailândia.

Ele voltou a participar do Exercício Foal Eagle no final de 2000 e partiu em março de 2001 para um cruzeiro de primavera com uma parada histórica. Ainda no período de 17 de outubro e a 9 de novembro de 2000 o Kitty Hawk foi sobrevoado por um grupo de aviões militares soviéticos no Mar do Japão, que tinham como objetivo tirar fotos da reação da tripulação no deck do navio. O comandante da Força Aérea Russa alegou que seus aviões conseguiram burlar o sistema de defesa anti aéreo do navio e que nas fotos pode-se ver o pânico que se estabeleceu entre os tripulantes. Em 22 de março, tornou-se o primeiro porta aviões a ancorar em Cingapura ao visitar o novo Pier Changi, localizado na Base Naval Changi da Marinha da República de Cingapura. Após uma curta visita a Guam, o Kitty Hawk celebrou 40 anos de serviço ativo enquanto navegava para o sul pra participar do Exercício Tandem Thrust 2001 com as marinhas do Canadá e Austrália, retornando a Yokosuka em 11 de junho de 2001.

alt alt alt alt

Em outubro de 2001, o Kitty Hawk seguiu para o Mar do Norte da Arábia para iniciar a Operação Enduring Freedom, uma vez lá o navio serviu como base avançada para o 160th Operations Aviation Regiment. Em abril de 2002 ele partiu para realizar o treinamento agendado para a primavera, tendo por base um porto em Guam, o treinamento incluiu visitas aos portos de Cingapura e Hong Kong, onde a tripulação comemorou o 41º aniversário do navio. No final de 2002 participou de treinamentos no Pacífico Ocidental, reunindo-se o Kitty Hawk e seu grupo de batalha com unidades da Força Aérea Americana e da Força Marítima de Autodefesa do Japão para a execução do AnnualEx 14G nas águas ao redor do Japão. Novamente o navio zarpou de Yokosuka em 23 de janeiro de 2003 para uma missão de treinamento de rotina. Porém pouco tempo depois chegaram ordens para ele se juntar a área sob controle do U.S. Central Command para dar cobertura a Guerra Global contra o Terrorismo e se preparar para futuras contingências. Logo o Kitty Hawk foi envolvido nas operações Southern Watch e Iraqi Freedom ao Norte do Golfo Pérsico. Embora a previsão do cruzeiro é que este fosse curto, as operações ocuparam o navio durante 110 dias contínuos. O Kitty Hawk retornou a Yokosuka em 6 de maio de 2003, entrando imediadamente em dique seco para uma revisão que durou até outubro daquele ano.

Em junho de 2005 após seis meses de disponibilidade restrita (SRA), o Kitty Hawk estava novamente a caminho quando foi sobrevoado por um IL-38 russo que estava sobre a ilha japonesa de Hokkaido. Em 3 de julho de 2005 o navio chegou em Sidney na Austrália para uma curta visita, mais tarde no mesmo cruzeiro, ele aportou em Guam por 4 dias e em novembro de 2005 o Kitty Hawk esteve ancorado em Hong Kong para o feriado de Ação de Graças. Em agosto de 2006, ele viajou para Fremantle na Austrália para uma curta estada, parando no retorno a Yokosuka em Pattaya na Tailândia.

Em setembro de 2006 o Kitty Hawk escoltava navios de guerra que participavam de exercícios próximo a Okinawa, quando o grupo passou a ser seguido por um submarino chinês da Classe Song, tendo em 26 de outubro o submarino  emergido a 5 milhas (8 kilômetros) do grupo. Foi considerado na época um evento raro, submarinos chineses operando tão longe da costa chinesa, porém o mais grave é que de acordo com informes o submarino só foi detectado quando emergiu. Posteriormente houve críticas a postura relaxada do pessoal do Kitty Hawk durante os exercícios, o que permitiu que um submarino chinês chegasse tão perto sem ser percebido.

Em 11 de janeiro de 2007 o navio foi posto em manutenção programada em Yokosuka, ficando no seu lugar o USS Ronald Reagan. Em 5 de julho de 2007 ele seguiu para Sidney na Autrália para uma estada de 6 dias, participando em seguida do Exercício Talisman Saber. Retornando a Yokosuka em 21 de setembro de 2007, voltou a zarpar em novembro junto com outros navios americanos para participar de exercícios na Baia de Bengala, reuniram-se ainda nos exercícios navios das marinhas da Austrália, India, Japão e Cingapura. Mais tarde em setembro estava agendada a ida do navio para Hong Kong para o feriado de Ação de Graças, porém o governo chinês cancelou a autorização para atracação do navio e seu grupo sem qualquer explicação. Embora o governo chinês tenha revisto a sua posição logo em seguida, o Kitty Hawk já estava longe demais para retornar a tempo para o feriado.  Em 20 de março de 2008 ele e mais dois navios permaneceram ao largo da China durante as eleições em Taiwan, vindo em seguida a aportar em Hong Kong pela última vez. Em 28 de maio o Kitty Hawk partiu para o Japão pela última vez, para ser substituído pelo USS George Washington. Porém durante o translado do USS George Washington para o Pacífico passando pela América do Sul, um incêndio a bordo deste o obrigou a seguir para San Diego para reparos. Isso fez com que a U.S. Navy retivesse o Kitty Hawk no Hawai para participar dos exercícios RIMPAC 2008 em junho e julho. Em 7 de agosto de 2008 o Kitty Hawk chegou na NAS North Island.   

alt alt alt alt

Em primeiro de dezembro de 2005, a Marinha Americana já havia anunciado que o USS George Washinghton iria substituir o Kitty Hawk em 2008 como Porta Aviões avançado no Japão. Em maio de 2008 começou o processo de descomissionamento, porém o incêndio a bordo do George Washington retardou o procedimento até agosto. Após ter passado o posto para o seu sucessor, o Kitty Hawk chegou a Bremerton em Washinghton em setembro. Porém o Kitty Hawk só foi oficialmente descomissionado em 12 de maio de 2009.

Um grupo baseado em Wilmington na Carolina do Norte tem planejado trazer o navio para a cidade, após este cumprir o seu tempo obrigatório no Programa de Navios Inativos da Marinha, para servir como museu flutuante junto com o Couraçado North Carolina. O navio será mantido na reserva até o comissionamento do USS Gerald R. Ford, programado para 2016, só depois disso poderá ser disponibilizado. Em 2013 um outro grupo baseado em Pensacola na Flórida, que originalmente pretendia preservar o USS Forrestal, mudou o seu foco para o USS Kitty Hawk em virtude das suas melhores condições. Com o advento dos Porta Aviões nucleares, o USS Kitty Hawk e o USS John F. Kennedy são os últimos candidatos a tornarem-se navios museus devido a sua propulsão convencional. Porta aviões nucleares como os das classes Enterprise e Nimitz requerem uma extensiva desconstrução para a remoção de seus reatores nucleares durante o seu descomissionamento, deixando-os sem condições de serem preservados.

 

O USS Kitty Hawk CV-63 da Trumpeter 1/350 

 alt

O kit da Trumpeter #05619, foi um lançamento de 2015. E é impressionante, não só pelo tamanho de quase um metro de comprimento, por 25 cm de altura, mas também  pelo número de peças, aproximadamente 1.400 partes. A injeção é de excelente qualidade não havendo quase rebarbas nos galhos e peças e os detalhes do kit em geral são impecáveis, representando de forma notável praticamente todos os sistemas de armas visíveis do navio. Estão também muito bem realizados os 12 F-18F Hornets, 5 E6B Prowlers, 2 E2C Hawkeyes e 2 HH60H Rescue Hawks, além de outros equipamentos do deck que acompanham o kit. De um modo geral as únicas falhas que vem sendo apontadas no kit é a ausência de detalhes no deck do hangar, pelo menos naquelas áreas visíveis através das portas laterais, e o fato do navio ter sido representado em seu período final de operações, quando teria sido historicamente bem mais interessante representa-lo na época em que participou das operações sobre o Vietnam.

A parte isso, é um excelente kit que irá se destacar junto aos outros porta aviões modernos que vêem sendo lançados pelos fabricantes atuais. Com todas estas qualidades não resta dúvida que compensará bastante o investimento nos conjuntos de acessórios que a Eduard planejou para ele que irão realçar sobremaneira as linhas elegantes do navio e darão ao resultado final da montagem um aspecto bastante profissional.

 

O Conjunto EDUARD #53170 - CV-63 Kitty Hawk pt.1 - Island 1/350 – For Trumpeter kit

 alt

O conjunto de fotogravados #53170 da Eduard para o CV-63 USS Kitty Hawk é dedicado exclusivamente para o detalhamento da ilha do convés de vôo. Ele é composto por duas folhas de fotogravados de excelente qualidade e com espessura adequada para representar até os detalhes mais finos com fidelidade adequada a escala.

alt alt

Neste set encontramos as amuradas, escadas, portas estanques, rolos de cabos, grades das chaminés, antenas de radar e de outros sensores, a cabine lateral da ponte, estrutura da torre de sensores, as luminárias que formam o número “63” nas laterais da ilha e diversos outros detalhes menores que completam o conjunto da ilha.

Se considerarmos que a ilha é apenas uma pequena parte do navio, é impressionante a quantidade de detalhes que esse set dedicou a ela.

alt alt alt alt

O folheto de instruções é impresso em cores sobre papel de boa qualidade e foi feito conforme o padrão tradicional das instruções da Eduard. Traz inicialmente o diagrama geral do conjunto, seguido das instruções colocação das partes propriamente ditas. Tudo é mostrado de forma bastante clara e de acompanhamento de fácil compreensão. Observamos apenas que se deve dar atenção especial ao posicionamento de cada seção de amurada, conforme a numeração indicada no folheto e as dobraduras que deverão ser feitas em  algumas delas. 

Clique aqui para baixar o folheto de instruções desse set diretamente da página da EDUARD. 

Esse primeiro conjunto fotogravados é por si só uma adição essencial ao modelo já que complementa ou substitui partes omissas ou pouco realistas que comprometeriam a aparência final da montagem. Porém lembramos que essa é apenas uma parte das possibilidades de detalhamento do navio que a Eduard oferece no momento, sendo mais adequado que este seja usado simultaneamente com os  conjuntos #53171, #53172, 53173 e #53174 que serão apresentados a seguir.

As imagens abaixo foram retiradas da página da própria Eduard e dão uma ideia bem clara de como esse conjunto atuará sobre a ilha do modelo:

alt alt alt alt
alt alt alt alt
alt alt alt alt
alt alt alt alt
alt alt alt alt

 

O Conjunto EDUARD #53171 - CV-63 Kitty Hawk pt.2 – Hull & Deck 1/350 – For Trumpeter kit

alt

Esse segundo conjunto de  fotogravados da Eduard para o CV-63  tem por objetivo o detalhamento do casco e do convés de vôo. Ele é formado por duas folhas de fotogravados (Parts 1 e 2) com os detalhes representados com o mesmo grau de fidelidade do conjunto anterior.  

alt alt

Nesse conjunto temos as amuradas das diversas plataformas que rodeiam o casco, com especial destaque para as que ficam na popa. Algumas plataformas mais finas também encontran-se representadas, com o detalhe dos respectivos pisos vazados para evitar o acúmulo de água do mar. Detalhes menores como, carretéis de cabos, escadas, portas estanque, longarinas, grades de proteção, etc. também estão presentes dando uma aparência mais profissional ao modelo.

alt alt alt

O folheto de instruções segue o mesmo padrão usado no  conjunto anterior, e uma vez sendo seguido com a devida atenção, não haverá dificuldades na sua compreensão. Apenas observamos que  as dobraduras das amuradas devem ser feitas com o devido cuidado para que as mesmas encaixem corretamente nas respectivas plataformas, sem amassar. Chamamos a atenção ainda que, as instruções indicam o uso de tubos plásticos para simular a parte interna dos carretéis de cabos. Porém nesse conjunto não foram informadas as dimensões que esses tubos deverão ter. Cabendo ao modelista usar de bom senso na hora de definir os seus respectivos diâmetros e medir o seu comprimento conforme o espaço que ficar entre as laterais das bases dos carretéis após dobradas na sua forma final.

Clique aqui para baixar o folheto de instruções desse set diretamente da página da EDUARD.

Este conjunto de fotogravados é também essencial para compor o detalhamento do navio juntamente com os demais conjuntos previstos pela Eduard para ele.

Nas fotos abaixo retiradas da página da Eduard poderá ser visto o impacto que a adição destas partes causará na aparência final do navio.

 alt alt  alt  alt 
 alt  alt  alt  alt
 alt  alt  alt  alt
 alt  alt  alt  alt

O Conjunto EDUARD #53173 - CV-63 Kitty Hawk pt.3 – Railings & Safety Nets 1/350 

For Trumpeter kit

alt

Esse terceiro conjunto da Eduard para o Kitty Hawk, V é dedicado exclusivamente as amuradas e redes de segurança do convés de vôo. Este também composto por duas folhas de fotogravados, encontrando-se nele os detalhes  igualmente representados de forma bastante fiel ao original para a escala 1/350.

alt alt

Nessas folhas encontramos as amuradas que contornam exclusivamente o convés de vôo, o conjunto de redes de segurança que amparam as aeronaves e tripulantes que ultrapassam os limites do convés de vôo, evitando que os mesmos caiam no mar, as que bloqueiam as pistas de pouso e decolagem para evitar operações não autorizadas, escadas de acesso e outros tantos detalhes menores ao redor do convés.

alt alt

O folheto de instrução mantém o mesmo padrão dos anteriores, não havendo qualquer dificuldade na sua compreensão  de suas etapas. Bastando apenas que se continue atento as dobraduras das amuradas e redes de forma acompanhar o contorno do convés em cada seção.

Clique aqui para baixar o folheto de instruções desse set diretamente da página da EDUARD.

Entendo esse conjunto como sendo uma continuação do conjunto anterior, que em virtude do tamanho do navio e do grande número de partes envolvidas, a Eduard optou por dividir em dois conjuntos distintos. Portanto, considero tão essencial quanto o anterior para o acabamento do navio.

As imagens abaixo, também tiradas da página da Eduard mostram as partes desse conjunto instaladas sobre o kit, demonstrando o quanto elas irão enriquecer o resultado final da montagem.

 alt  alt  alt alt 
 alt  alt  alt  alt
 alt  alt  alt  alt
 alt  alt

 O Conjunto EDUARD #53173 - CV-63 Kitty Hawk pt.4 – Aircraft 1/350 For Trumpeter kit

 alt

Embora o nome desse conjunto sugira que ele seja apenas para o detalhamento dos aviões a bordo do navio, na verdade ele contempla a maioria dos equipamentos sobre o convés, além das aeronaves propriamente ditas.

alt

Composto por uma única folha de fotogravado, ele trás as portas de trem de pouso e outros detalhes menores dos Grumman Prowler, os conjuntos das hélices dos HH60H Hawks, portas de trem de pouso, rodas da frente e suporte do radar dos Hawkeyes, detalhes menores da parte de baixo dos F-18 e detalhes diversos dos vários tratores e outros veículos de bordo.

 

alt alt

As instruções mostram com bastante clareza as eventuais partes que deverão ser removidas em cada um dos itens e a aplicação dos detalhes em cada um deles. Ficando a dificuldade aqui apenas por conta do tamanho diminuto de cada parte a ser aplicada.

Clique aqui para baixar o folheto de instruções desse set diretamente da página da EDUARD.

Esse conjunto é bastante interessante, pois permite o detalhamento dos elementos sobre o convés de vôo o que os deixará dentro do mesmo nível de acabamento do resto do navio.

As fotos a seguir do site da Eduard dão uma visão bem clara do quanto que cada um desses elementos será beneficiado com os detalhes fornecidos.

alt alt alt alt
alt alt alt alt
alt alt alt alt
alt alt alt alt

O Conjunto EDUARD #53174 - CV-63 Kitty Hawk pt.5 – Life Boats 1/350 For Trumpeter kit

 alt

O quinto e último conjunto da Eduard para o CV-63 Kitty Hawk é dedicado exclusivamente para representar os suportes dos botes infláveis que ficavam nas laterais do convés do navio.

alt

Também composto por uma única folha de fotogravado, ele representa com muito mais fidelidade que as peças fornecidas no kit, a grande quantidade de suportes de botes salva vidas que ficavam nas laterais do convés. Um detalhe que irá ajudar a compor com os detalhes fornecidos nos conjuntos anteriores uma aparência mais profissional no acabamento final do kit.

alt

O folheto de instruções se limita apenas a demonstrar como cada conjunto de suportes deve ser montado, devendo o modelista se reportar a instrução do kit, ou fotos de referência,  para identificar onde cada conjunto deverá ser posicionado no navio.

Clique aqui para baixar o folheto de instruções desse set diretamente da página da EDUARD.

As fotos a seguir mostram esses suportes já colocados dando uma idéia melhor do seu posicionamento no kit.

alt alt alt alt
alt alt alt

Conclusões

O kit da Trumpeter do CV-63 já é por sí só bastante impressionante e que com a adição desses 5 conjuntos da Eduard ficará com uma aparência magnífica. Existe farto material fotográfico a cores sobre o navio, principalmente no período representado pelo kit. O que facilitará bastante o detalhamento do mesmo e a eventual necessidade de suprir dúvidas quanto a montagem de partes ou pintura de detalhes.

Infelizmente a única lacuna que permanecerá no kit, mesmo com o uso desses conjuntos, foi o detalhamento do hangar, principalmente nas áreas  que ficarão visíveis através das portas laterais. A Eduard previu algumas pequenas adições nas áreas dessas portas nesses conjuntos, mas que não solucionarão o problema como um todo. Nesse caso restará ao modelista fazer alguma pesquisa e usar de criatividade para preencher os vazios.

A quantidade de partes envolvidas tanto no kit quanto nesses conjuntos da Eduard é bastante grande, sendo que a dificuldade de aplicação da maioria das peças desses cinco conjuntos é mediana. Considero esse projeto mais recomendável para aqueles que já possuem alguma experiência com navios grandes nessa escala e fotogravados. Lembrando que o mesmo demandará um  tempo considerável, paciência e um bom espaço físico para expor o resultado final, que com toda certeza, será bastante compensador.

Agradecemos a Eduard pelos cinco conjuntos fornecidos para a elaboração deste Review.

alt

 

 

 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Clique nos links para ir a pagina.

Notícias e Reviews Anteriores

Ultimas do Forum