CHEVROLET CRUZE WTCC - 1.6T 2012 - Aoshima/Beemax - Esc.: 1/24
Escrito por Ricardo J. P. Costa   
Sáb, 21 de Novembro de 2015 00:00

 

 

 

 CHEVROLET CRUZE 1.6T - WTCC - CAMPEÃO DO MUNDO 2012

AOSHIMA/BEEMAX Nº 05 - Esc.: 1/24

 

BREVE HISTÓRIA DA MARCA: 

William C. "Billy" Durant (1861-1947), um comerciante automotivo visionário fundou a General Motors em 1908, no início contando com a reputação de Louis Chevrolet (1878-1941), um engenheiro mecânico famoso por suas habilidades de pilotagem, ele estabeleceu um recorde de velocidade em terra, em 1905, atingindo 111 mph (179 Km/h, aproximadamente). Durant contratou Chevrolet para corridas promocionais com alta visibilidade e evidência no meio automobilístico.

Em 1910, Durant foi forçado a sair da empresa que ele fundou, mas não seria dissuadido de continuar na indústria automobilística em expansão. Ele se reagrupou com outros parceiros, inclusive Chevrolet, para desenvolver um carro novo. Durant acreditava que a reputação de Chevrolet como piloto ajudaria a vender carros, por isso a empresa levou o seu nome.

A Chevrolet foi fundada em 1911 e seu primeiro carro, o Series C clássico Six, um carro bastante confortável e espaçoso. Seu motor de seis cilindros produzia 40 cavalos de potência e permitia uma velocidade máxima de cerca de 65 milhas por hora (105 Km/h, aproximadamente). Era vendido à época de seu lançamento, por U$ 2.150 ou o equivalente acerca de 50.000 dólares hoje, levando-se em conta os ajustes pela inflação aos dias atuais.

Apesar de seu alto preço, o Chevrolet era bem visto pelo seu estilo, precisão e conforto. Durant também estava produzindo um carro menor, mais acessível chamado Little. As vendas de ambos foram fortes, mas Durant reconheceu a força do mercado e dirigiu sua empresa nessa direção. O Chevrolet Series C e o Little foram produzidos até 1913. Em 1914, a plataforma básica pouco foi modificada para o Chevrolet Modelo L, e mais tarde, naquele mesmo ano, o Modelo H foi lançado.

A renovada linha Chevrolet teve sucesso imediato, graças a um preço orientado por valores de mercado e um motor de quatro cilindros que provou ser muito durável. Apesar do sucesso inicial, Durant e Chevrolet divergiam sobre a filosofia de produtos da empresa. O abismo entre eles resultou no fato de Durant comprar a participação de Louis Chevrolet na companhia em 1915.

O sucesso permitiu a Durant comprar uma participação majoritária na General Motors em 1916. Em 1917, Durant estava de volta nao comando da GM, tendo a Chevrolet como uma de suas divisões.

Durant deixou a General Motors em 1920. Ele estabeleceu uma outra empresa de automóveis e tornou-se um proeminente investidor de Wall Street. A quebra da bolsa de Nova York em 1929, no entanto, foi fatal para ambos os empreendimentos. Ele foi à falência em 1936, tendo morrido em 1947. Foi enterrado no cemitério de Woodlawn no Bronx, Nova York.

Louis Chevrolet também perdeu a sua fortuna durante a grande depressão. Ele retornou às suas habilidades vocacionais e trabalhou como mecânico em uma fábrica Chevrolet em Detroit. Morreu em 1941 e foi sepultado em Indianápolis, perto da famosa pista de corrida, onde forjou sua reputação como um piloto destemido e inovador.

Fonte: http://www.chevrolet.com.br/sobre-a-gm/conheca-historia-100-chevrolet.html

 

alt alt alt alt

 

O MODELO SOB ANÁLISE:

O Cruze, modelo desenvolvido pela Chevrolet para competir no WTCC – sigla em Inglês para o Campeonato Mundial de Carros de Turismo estreou no Brasil, em Curitiba na primeira etapa do campeonato de 2009, tendo conseguido 6 (seis) vitórias no ano de estreia, utilizando um motor de 2 Litros aspirado. Com as mudanças de regulamento homologadas para o ano de 2010, passou a utilizar o novo motor de 4 (quatro) cilindros, 1.6 Turbo alimentado, de 16 Válvulas e 306 Cavalos de potência, construído especialmente para a categoria.

Desde 2010 a marca foi dominante, vencendo os Campeonatos de Pilotos, com o Francês Yvan Muller, e o de Fabricantes. No ano seguinte voltou a vencer tudo, e mais uma vez com Yvan Muller, seguido dos dois outros integrantes da Equipe de Fábrica, o Inglês Rob Huff e o Suíço Alain Menu.

Em 2012, a trinca vencedora continuou, mas desta vez Rob Huff levou o título, seguido por Alain Menu e Yvan Muller. Este foi também o último ano da Equipe Oficial de Fábrica da Chevrolet com o modelo Cruze no Campeonato Mundial de Carros de Turismo (WTCC).

Atualmente o Cruze, em versões “mais atualizadas”, continua a participar do WTCC nas mãos de outros pilotos, e em Equipes Particulares, sem, contudo, obter o mesmo sucesso daqueles anos gloriosos.

 

FICHA TÉCNICA:

Dimensões:

Comprimento: 4,597m

Largura: 1,788m

Altura: 1,477m

Distância entre-eixos: 2,685m

Peso: 1.180Kg (temporada de 2012) podendo ser adicionado até 40Kg extras quando das vitórias – lastro.

Motor:

Os carros participantes do campeonato mundial de turismo (WTCC) e da Chevrolet Cruze Cup na Europa utilizam motor de 4 (quatro) cilindros, 1.6 Litros, 16V turbo com 306 hp.

 

O MODELO EM ESCALA 1/24 (kit):

 

Modelo injetado em poliestireno pela Aoshima  (Japão), em cooperação com a BeeMax (Macau), havendo ainda a disposição dos mais aficcionados, um jogo de detalhamento (PE + decais de carbono), produzido especialmente para o modelo. Trata-se de um "curb side" com 82 partes, o que é um bom número de peças para este segmentos uma vez não apresentar motor. 

 

Uma agradável surpresa é o excelente manual de oito páginas, cujo grafismo apresenta, além de boa resolução e indicações precisas, tanto do encaixe quanto do assentamento das peças a serem montadas, informa ainda o psicionamento dos detalhes em fotocorrosão (PE), uma grande ajuda para quem adquirir tal assessório. 

 

Os decais, assinados pela própria BeeMax são um detalhe a parte, além de produzidos com excelente resolução apresentam possibilidade de montagem para as versões dos três pilotos da Equipe vencedora do Mundial de Turismo de 2012 (Rob Huff, Alain Menu e Yvan Muller), contando ainda com uma exposição colorida, em papel couché, do layout de cada carro, o que sem dúvida ajuda em muito no acabamento do modelo.   

 

alt alt alt

 

A produção do kit prezou por uma injeção com marcas "quase imperceptíveis", principalmente nas partes mecânicas e da carroceria (uma raridade), o que ajuda sobremaneira na montagem e no acabamento do modelo. Além de uma resolução cuidadosa em cada peça produzida, o que o torna, ao nosso ver, um kit de caracterísricas únicas, muito bem elaborado e de fácil montagem e manuseio, contando também com máscaras para pintura dos vidros (partes transparentes) e um "stiker" cromado da moldura da grade dianteira do veículo.

alt alt alt
alt alt alt

 

Outro segmento que chama a atenção é o dos cromados empregados nos faróis e lanternas, com resolução impecável e brilho bastante realista, atribuem um ar de veracidade ao modelo que, dependendo do ângulo de visão, por vezes tem-se a impressão de um equipamento na escala de 1/1.  Sem falar nas rodas e pneus, principalmente quanto a esses últimos, com uma injeção apresentando todas as "cintas radiais de ombro", cuidados muito bem vindos, principalmente para um kit nessa escala.

alt alt alt
alt alt alt

 

 

 

A produção das partes mecânicas (em preto) conta com uma injeção de excelente qualidade, com peças muito bem acabadas, de ótimo detalhamento e encaixes precisos. O desaque fica por conta da tela em nylon inclusa, para colocação à frente do radiador de água dianteiro, detalhe muito bem vindo. A injeção do radiador e da gaiola de proteção do habitáculo do piloto (Santo Antonio), chamam a atenção pelos detalhes e acabamento.

 

Um ponto não muito favorável no entanto, é a textura imitando fibra de carbono presente em algumas partes, não condizendo com o jogo de detalhes produzidos pelo próprio fabricante (fotocorrosão), que conta também com "templates" em fibra, para essas peças.  

 

alt alt alt
alt alt alt

 

Por toda a árvore de peças apresenta-se, como já ressaltado anteriormente, de maneira quase imperceptível as linhas de injeção, inclusive nas molas e amortecedores, local comum para essa incidência. O chassi é outro caso a parte, injetado da "maneira tradicional", ou seja, juntamente com as caixas de roda, proporciona um assentamento mais eficaz da carroceria, além de evitar ao longo do tempo que esta parte, quando produzida em separado, venha a se soltear por alguma ineficiência do agente adesivo empregado (ciment). 

 

Nas partes do chassis apresentadas abaixo, notam-se além da boa injeção, os detalhes em alto e baixo relevo, principalmente nos paineis de instrumentos, de portas e nos discos de freio.  Aqui, o único senão fica por conta da injeção, em alto relevo da fiação do sobrechassi, o que pode vir a atrapalhar àqueles que gostam de incrementar esse segmento de detalhes, mas mesmo assim, esta é muito bem produzida.  

 

alt alt alt alt
alt alt alt alt

 

 

PRÓS:

1) A qualidade de injeção das peças impressiona;

2) Mesmo sendo um "curb side" apresenta uma quantidade média de peças acima dos demais modelos nessa categoria;

3) Assessórios de boa qualidade, como tela e "stiker" cromado, fornecidos pelo próprio fabricante acompanham o modelo;

4) O manual de montagem traz explicações da instlação do jogo de detalhamentos produzidos à parte pelo próprio fabricante;

5) Pelo valor médio de venda no mercado, é um dos kits mais acessíveis atualmente. 

  

CONTRAS:

1) A imitação de fibra de carbono presente sobre a superfície de algumas partes do modelo pode comprometer seu acabamento;

2) A injeção em alto relevo da fiação no sobrechassi pode comprometer àqueles que gostam de detalhar esse segmento, pela necessidade de sua retirada;

3) Pena ser um "curb side", pelas qualidades apresentadas, o modelo merecia um motor de fábrica.  

 

CONCLUSÃO:

Modelo que apresenta todos os requisitos para uma montagem fácil e com bom acabamento, haja vista a qualidade das peças injetadas e seus encaixes. Além disso, encontra-se à disposição dos mais aficcionados, kit de detalhamento produzido pelo próprio fabricante (PE e adesivos), o que sugere uma maior precisão em sua utilização.

Uma pena não ser produzido com motor, algo bastante interessante, levando-se em consideração a qualidade do material apresentado e seu grau de detalhamento, o que por si só já recomenda o produto. Por outro lado, embora bem injetados, tanto a simulação de fibra de carbono sobre algumas partes (aerofólio e spoiler, por exemplo), como a fiação elétrica no sobrechassi, ao nosso ver são dispensáveis pois, para aqueles que gostam de mais detalhamento, terão ainda o trabalho de remover essas partes. De qualquer sorte, este é mais um daqueles modelos que não podem faltar na estante de quem gosta de autos de competição.

 

Obrigado Hobbyeasy pelo envio deste kit para review !

Hobby Easy

 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Clique nos links para ir a pagina.

Notícias e Reviews Anteriores

Ultimas do Forum