IJN Transport Vessel Class Nº 101 - Pit Road 1/350
Escrito por Ricardo P-40   
Sex, 24 de Outubro de 2014 00:00

alt

Imperial Japanese Navy Transport Vessel Nº 101 Class

 Pit Road 1/350 – Kit Nº #WB-05

HISTÓRICO – A Classe Nº 101 de Navios Japoneses de Desembarque

Em junho de 1943, após a derrota na Campanha de Guadalcanal, a Marinha Imperial Japonesa percebeu a necessidade de obter embarcações de transporte e desembarque militar de alta velocidade.  Foram então planejados dois tipos de embarcações: A Classe Nº 1 de 1.500 toneladas que era usada para transportar os barcos de desembarque anfíbio da Classe Daihatsu e os mini-submarinos da Classe Kō-hyōteki e a Classe Nº 101 de navios de assalto anfíbio de 900 toneladas.

O Exército Imperial Japonês já tinha na época os seus próprios navios de assalto anfíbio da Classe SS, porém esses não eram adequados a produção em massa devido a sua estrutura complexa. Portanto o Exército também tinha interesse em um novo modelo de embarcação de desembarque que pudesse ser rapidamente produzido em grandes quantidades. Os planos da Marinha e do Exército foram conciliados e ambos colaboraram para o desenvolvimento e construção dos novos navios de assalto anfíbio. No caso, a Marinha participou com o projeto e os estaleiros e o Exército com os recursos minerais necessários.

Durante o desenvolvimento, a Marinha Imperial obteve da Alemanha várias informações recolhidas por esta durante a Operação Tocha que incluíam várias fotos e desenhos dos LCT Mk.V americanos. Em agosto de 1943 o Departamento Técnico Naval (Kampon) estudou a fundo esse material e baseado nele concebeu o seu próprio projeto, que de certa forma, resultou num modelo de LCT aumentado. A principal diferença em relação aos LCT, é que enquanto aqueles tinham portas duplas na proa, o projeto japonês tinha apenas uma porta plana que também servia de rampa de embarque e desembarque. Em setembro de 1943 o projeto já estava pronto e foi rapidamente encaminhado ao Arsenal Naval de Kure, que por sua vez terminou a construção da primeira embarcação, a Nº 101, em novembro de 1943.

O Departamento Técnico (Kampon)  também projetou um novo motor a turbina para essa Classe, porém essa não ficou pronta para ser instalada nos seis primeiros barcos da Classe. Por essa razão o Kampon decidiu instalar nesses um motor a diesel de 400hp que havia disponível na época, passando esses 6 barcos a serem chamados de Classe Nº 101 (第百一号型輸送艦, Dai 101 Gō-gata Yusōkan) ou SB (D).  Com a regularização do suprimento de turbinas para as embarcações seguintes, a Marinha Japonesa classificou essas de Classe Nº 103  (第百三号型輸送艦, Dai 103 Gō-gata Yusōkan) ou SB (T). Embora os barcos da Classe Nº 101 fossem 2.6 nós mais lentos do que os da Classe Nº 103, os motores a diesel proporcionavam a eles a capacidade de transportarem 250 toneladas, 30 a mais dos que os equipados com turbina. Os barcos das duas Classes eram capazes de transportar ao todo 9 tanques médios Type 97 (Chi-Ha ou Shinhoto Chi-Ha), ou 14 tanques leves Type 95 (Ha-Go) ou ainda 7 tanques anfíbios Type 2 (Ka-Mi) em seus dois decks, superior e inferior.

 photo T101-01_zps5e185a2e.jpg  photo T101-02_zps2be47c61.jpg  photo T101-03_zpsa7866821.jpg  photo T101-04_zps29861b8d.jpg

Fotos de embarcações da Classe Nº 101

Na medida em que as embarcações foram sendo completadas, elas foram distribuídas entre a Marinha e o Exército.   A Marinha as classificou como 2º Classe de Embarcações de Transporte (二等輸送艦, 2-Tō Yusōkan), já o Exército as classificou de barcos SB (SB, SB-tei).

 photo T103-01_zps43bef1b6.jpg  photo T103-02_zps3408e35b.jpg  photo T103-03_zpsdeac0600.jpg  photo T103-04_zps0d58f572.jpg

Fotos de embarcações da Classe Nº 103

O Exército recebeu 32 barcos da Classe Nº 103, porém devido a dificuldades que encontrou na operação das turbinas, acabou devolvendo 10 desses a Marinha. As embarcações eram enviadas uma a uma para a linha de frente na medida em que eram completadas. Em janeiro de 1945, devido a escassez de combustível, vários barcos das Classes Nº 101 e 103 tiveram seus motores originais substituídos por caldeiras a carvão, porém não sobreviveram registros sobre essas conversões e suas quantidades. 

 photo T103-05_zps0ef489c3.jpg  photo T103-06_zps38f8e29d.jpg  photo T103-07_zpsa9e48b9f.jpg  photo T103-08_zps7993c341.jpg

Detalhes da Classe Nº 103 que no aspecto geral era quase idêntica a Classe Nº 101 e um barco SB do Exército

A maioria das embarcações da Marinha foi enviada para a Batalha do Golfo de Leyte, onde 18 delas foram perdidas. Porém a maior parte foi bem sucedida ao desembarcar suas cargas de tropas e tanques, no final apenas 9 das embarcações da Marinha sobreviveram a guerra.

 photo T103-09_zpsce9268df.jpg  photo T103-10_zpsc7ae8b8c.jpg  photo T103-11_zps37a1f5ba.jpg  photo T103-12_zps3b21451d.jpg

Alguns exemplos de materiais transportados por essas embarcações

Não sobraram registros muito detalhados do uso dos Barcos SB pelo Exército, sabe-se apenas que dez desses foram enviados para a Campanha das Filipinas, e operaram quase que estritamente no costa norte de Luzon, Taiwan e Ilhas Ryukyu, com a perda de uma única embarcação. Após a Campanha das Filipinas, os Barcos SB foram usados apenas nos mares periféricos as ilhas do Japão.

No total foram construídas 6 embarcações da Classe Nº 101 e 63 embarcações da Classe Nº 103. Todos os barcos da Classe Nº 101 foram perdidos durante a guerra, porém alguns barcos da Classe Nº 103 sobreviveram a esta e foram sucateados entre 1947 e 1948. Um desses sobreviventes, o Nº 172, foi entregue aos chineses e incorporado a Marinha da República da China com o nome de Lui Shan (AP-308), onde permaneceu em serviço até 1955.

O KIT

O conteúdo da caixa é formado por 142 peças em plástico injetado de excelente qualidade, distribuídas por 4 galhos, 1 folha de decalques e 2 folhetos de instrução.

No primeiro galho estão as duas metades do casco. A injeção é excelente, praticamente sem rebarbas, porém com algumas poucas marcas de injeção em locais indesejáveis. As chapas do casco são demarcadas por linhas em baixo relevo, adequadamente profundas para essa escala. Um dos pontos altos do kit é a forma cuidadosa como foi representada as paredes internas do casco ao redor da subida da rampa, um detalhe que pode ser visto na terceira foto dos Classe Nº 101 publicadas acima. Não há previsão de corte da linha d’água no interior do casco, acredito  que para a montagem waterline seja necessário improvisar um reforço no interior do mesmo, tendo em vista a forma como esse foi concebido.

 photo T-03_zpse2b7eb4e.jpg  photo T-04_zpsf5e3e08c.jpg

No segundo galho encontramos o convés superior, a porta/rampa frontal,  a rampa interna de acesso ao deck superior, o fechamento inferior do casco frontal ,o deck central, as peças que compõem os conjuntos de eixos e hélices, as âncoras e a base expositora. Os detalhes estampados sobre as superfícies dos decks e rampas são de excelente qualidade. Com um destaque especial pela forma com que foi representada a estamparia anti-derrapante do piso. Porém o único senão aqui, são as correntes estampadas sobre o piso do deck superior. Essas infelizmente serão impossíveis de remover sem danificar a estamparia do piso, porém como essas são correntes muito finas e difíceis de encontrar substitutas adequadas em metal, o melhor será deixar como estar e tentar realça-las com pintura e wash. As peças menores são de excelente execução e quase isentas de rebarbas. A base expositora não é das mais vistosas mas também não chega a comprometer o visual do conjunto, podendo ainda ser útil para estabilizar o modelo durante a montagem.

 photo T-05_zps8dcf960e.jpg  photo T-06_zpsee556a03.jpg  photo T-07_zpsc7dbda3a.jpg  photo T-08_zpsc3fff02d.jpg

No terceiro galho temos as plataformas das antiaéreas, a ponte, ao deck traseiro, os turcos dos salva-vidas, mastros, metralhadoras antiaéreas de 25 mm em montagens simples, duplas e triplas, o canhão de 7,6 cm e outros detalhes que serão montados sobre o convés. O nível geral dos detalhes é excelente, estando totalmente compatível com o dos galhos anteriores. Algumas das peças e opções de armamento presentes não aparecerão no folheto de instruções, pois esse galho também faz parte do kit da Classe Nº 103 da Pit Road onde estas serão usadas. 

 

 photo T-09_zps8ab62956.jpg  photo T-10_zpseaf62199.jpg  photo T-11_zps9cfc3aed.jpg

O quarto galho é dedicado ao equipamento transportado pela embarcação,  nele estão presentes os dois botes salva-vidas,  um barco de desembarque anfíbio da Classe Daihatsu, um caminhão Isuzu Type 97, um tanque Type 95 (Ha-Go),  um tanque Type 97 (Chi-Ha), um tanque Type 97 (Shinhoto Chi-Ha), um tanque Type 3 (Chi-Nu), um Type 1 SPG (Ho-Ni) e um tanque anfíbio Type 2 (Ka-Mi). Dentro das limitações que o plástico injetado impõe a peças de tamanho reduzido, podemos dizer que todos os barcos e veículos estão muito bem representados para a escala.

 photo T-12_zps9f82eb38.jpg  photo T-13_zps37e6a616.jpg  photo T-14_zps98a5e5fa.jpg  photo T-15_zpsc1b8aee6.jpg

A folha de decalques é muito bem impressa sobre filme de boa qualidade e o registro muito bem centrado. Os motivos se limitam a bandeira nacional e a da Marinha Imperial para a embarcação e a um conjunto de estrelas brancas e bandeiras para os veículos. 

alt

 

O primeiro folheto de instruções é impresso em preto e branco em papel de boa qualidade e se refere as instruções de montagem da embarcação propriamente dita. Na primeira página temos os dados históricos das Classes Nº 101 e 103 em japonês e inglês. As duas páginas centrais e a últimas mostram as etapas de montagem na forma de diagramas. Embora os desenhos sejam bastante compreensíveis e aparentemente não haja dificuldades de entendimento quanto a localização das partes, observa-se várias informações em japonês que eventualmente ajudariam na compreensão da montagem sem a respectiva tradução para o inglês. 

 photo T-17_zps16559183.jpg  photo T-18_zps12774a05.jpg

O segundo folheto é dedicado a montagem e pintura do equipamento embarcado. A montagem dos barcos e veículos é bem simples e não devem causar dúvidas já que as partes envolvidas encontram-se corretamente indicadas. Os diagramas de pintura estão muito bem impressos em cores, o que com certeza facilitará a compreensão dos complexos padrões de camuflagem dos veículos.  Embora haja uma tabela de cores com códigos de equivalência, possivelmente com as tintas Mr. Color, é difícil se ter certeza sobre elas já que todas as demais indicações estão apenas em japonês. 

alt

As indicações de pintura do barco propriamente dito, colocação das bandeiras e posicionamento dos veículos sobre o deck encontram-se na parte de trás da caixa. Onde também há uma tabela de equivalência de cores, porém aqui é claramente informado que se tratam dos códigos das tintas Mr. Color. Há ainda dados técnicos da embarcação e do armamento, porém a maior parte das informações, infelizmente está escrita somente em japonês.

alt

CONCLUSÕES

Para mim foi uma grata surpresa descobrir que a Pit Road tinha esse kit na sua linha de produtos. Essa é uma embarcação bastante interessante e que foge ao lugar comum dos kits de navios nessa escala. A parte algumas poucas falhas e os problemas de tradução de partes da instrução, esse é um kit fantástico e que fatalmente fará uma excelente figura numa coleção de embarcações da Segunda Guerra. O kit depois de montado fica com aproximadamente 23 cm de comprimento, o que o deixa com um tamanho ideal para causar um bom efeito visual, sem os inconvenientes de falta de espaço para acomodação que causaria se fosse numa escala maior.  

A Pit Road produz também um kit da Classe Nº 103 que foi descrita acima, os dois kits compartilham a maioria das peças, uma vez que externamente ambas as Classes eram idênticas. Apenas um único galho é diferente entre eles, para poder representar um maior número de plataformas para as antiaéreas adicionais que foram instaladas nos barcos de ambas as Classes, próximo ao final da guerra.

Infelizmente não há ainda um conjunto de fotoetche específico para esse modelo no mercado. Embora a qualidade do kit torne isso praticamente dispensável, não fica descartada a possibilidade de aproveitamento de partes de outros conjuntos de fotoeche para melhorar alguns dos detalhes.

No entanto, recentemente a Artwox lançou um deck de madeira para ele que substituirá com bastante vantagem as partes de madeira do deck superior, o interior de um dos botes, da barcaça Daihatsu e o piso da caçamba do caminhão Isuzu. Para os mais exigentes, existem ainda no mercado diversas excelentes opções para substituição das metralhadoras antiaéreas de 25 mm, essas feitas em resina e com complementos em fotoetche, embora as do kit não cheguem a ser necessariamente ruins.

De qualquer forma é um kit bastante recomendável, cuja montagem não deve causar grandes problemas, mesmo aos que não tenham muita experiência com embarcações.

 

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Clique nos links para ir a pagina.

Notícias e Reviews Anteriores

Ultimas do Forum